O fim sempre vem (Ive, VIII)

Eu sabia o que era coma. Eu sabia o que era morte. Eu lia. Eu era uma criança, o que não significa que eu vivesse em um mundo à parte do da minha mãe. Meu pai respondeu todas às minhas perguntas e me contou tudo o que sabia, tudo o que entendia. E no dia seguinte ao enterro, me levou ao hospital para conversar com o médico que cuidou da Izabel.

Continue lendo

Espera (Ive, VII)

Quando entrei no meu apartamento percebi que não era exatamente o que eu queria fazer: tive a ousadia de ligar meu computador e perceber que milhões de e-mails me esperavam e buscar em meio ao caos do meu quarto pelo meu celular que estava desligado – respirei fundo – e deixei desligado.

Continue lendo

Novos rumos (Ive, VI)

O que eu não fazia aos olhos dela. Enfrentava meus medos, sempre que havia um problema eu girava um globo e traçava uma nova rota, foi assim desde quando minha irmã se foi e nunca mudou e nem a terapia mudou isso. Mas a terapia mudou algo fundamental que ela nunca soube: eu não fugia do medo, eu fugia de pessoas. Ou tentava de alguma forma encontrá-la.

Continue lendo

Coca ou café? (Ive, V)

Eu não faço isso. Primeiro porque não posso, infelizmente, faz parte do meu trabalho eu não fui lá ser malvada e hahaha! Segundo, isso foi ridículo, qual é, eu já aprendi a lidar com esses pequenos momentos. Não com a perda dela, mas com essas coisinhas. Eu me tratei por anos e não foi pra isso.

Continue lendo

Let’s party?! (Ive, IV)

Gosto de me manter extremamente ativa durante a semana e curtir a inatividade do fim de semana. E vivo nesse estilo diferente de todas as outras pessoas. Costumo sair nos finais de semana para eventos mais importantes e quando recebo visitas de amigos da minha fase de intercâmbios e viagens pelo mundo. No mais gosto de curtir minha casa, a casa dos meus pais e a família. A vida de uma forma geral, não sei.

Continue lendo

O café e eu (Ive, III)

Não posso me dar esse luxo pelo meu não tão maravilhoso salário e também porque eu sou viciada mesmo é em vodca, é o que eu bebo todos os finais de semana. Te digo, experimente com café, é louco, louco demais!

Continue lendo