Por que eu pensei e tentei o suicídio?

Quero escrever sobre isso há muito tempo, mas como dar forças enquanto eu mesma não tenho?

Como permitir que aqueles que amo saibam disso, assim, tão abertamente?

Eu não sei quantas vezes pensei ou quantas vezes tentei, o que sei é que sei exatamente o que fazer e como fazer. Pensar nisso, escrever sobre isso dói porque além das dores que eu tenho eu sei que isso dói nos meus familiares, no meu namorado e eu faria falta para a minha cachorra.

Meu Deus, eu pareço a pessoa mais egoísta do mundo pensando em um animal nesse momento, mas eu a busquei, e não dá pra imaginar como ela ficaria sem mim. Do mesmo jeito que não imagino como aqueles que amo ficariam, mas eles seguiriam em frente, é preciso. Mas ela não vai entender, ela nunca vai saber.

Sempre que escrevo algo relacionado à Depressão, acho importante evidenciar que falo da minha experiência, da minha vivência da doença. Não sou especialista. Compartilho isso com o intuito de ajudar a compreender e lidar com melhor com a Depressão. Mas é importante deixar claro que cada indivíduo é único e sua doença também. Consultar um especialista é sempre a melhor opção.

Pensei em fazer isso em forma de vídeo, mas fico péssima chorando e não posso gravar um vídeo ouvindo música como faço ao escrever, ajuda a clarear a mente.

Considerei que chegou o tempo de falar sobre isso porque ainda estamos no #SetembroAmarelo 💛 e eu também me engajo nesse movimento, mas seria hipocrisia da minha parte querer fazer muito considerando que eu não estou completamente recuperada.

O #SetembroAmarelo é uma iniciativa incrível, mas se você disponibilizou seu inbox, whatsapp etc para que pessoas com problemas venham conversar com você, não espere muito e não considere que está fazendo muito. Conversar sobre isso não é assim, e se você tem algum receio de que algum conhecido possa estar em um momento ruim, vá conversar com essa pessoa. Se você já conhece alguém com a depressão ou outro problema, por favor, procure a ajuda de um psicólogo.

Por que o suicídio?

É a maior pergunta para todos. Por que?

Graças à Psicologia e o engajamento de muitas pessoas em mostrar o que são transtornos e distúrbios psicológicos e psíquicos de verdade, que não é frescura e não é normal, muitas pessoas sabem que quando pensamos em suicídio não é uma ideia sobre acabar com a vida. “Minha vida não é boa, vou acabar com ela”.  É para acabar com a dor, a ausência, a falta de vida em que a pessoa se encontra.

É um buraco negro dentro do peito que suga tudo que a pessoa é: alegria, vontade, a própria personalidade. Me torno uma casca e a dor é insuportável. Dói como se fosse físico. Dói como se aos poucos arrancassem meus membros, pedaço a pedaço. E nada muda isso.

A terapia e a medicação ajudam, mas a dor permanece e quando você começa a lutar contra ela aumenta. Você dá um passo para melhorar e o buraco cresce, quanto melhor você fica mais o buraco cresce e de repente ele leva outro pedaço, mas você achava que ele nem estava ali mais.

Aí a vida é algo que parece não existir mais, então acabar com ela não é mais inimaginável.

A dor tem que parar, de algum jeito. A dor tem que parar. Assim os pensamentos suicidas vem.

E é um engano terrível quem pensa que eles vem quando estamos deitados, desanimados. Já recebi essa visita inesperada no meio da sala de aula, no trabalho, no ônibus. Surgem planos, como quem faz planos para o fim de semana, de repente você está fazendo planos para o fim.

Os pensamentos suicidas para mim eles vem em forma de remédios e facas.

E sim, eu já tentei.

Peguei facas na cozinha e olhei para elas tão próximas dos pulsos, ou sobre as coxas, perto daquela artéria que passa ali.

Já tomei doses exageradas dos medicamentos, passei mal, fiquei pior ainda. Mas nunca tive coragem de acabar com tudo de uma vez, de algum jeito eu queria que fosse um pouco inconsciente para me sentir menos culpada.

Pode parecer fraqueza e frescura, tanta gente morrendo de câncer e outras doenças incuráveis que lutam para viver e gente que vive com saúde querendo tirar a própria vida. Viver na dor não é vida.

Todo mundo quer ser feliz. De alguma forma, nós, suicidas, perdemos essa habilidade. Se você não pudesse ser feliz, o que você iria querer da vida?

Não há culpa em acabar com a própria dor.

Há culpa pelo amor que temos pelas outras pessoas. Existe dor, muita dor. E existem motivos para ficar e lutar, muitos motivos. Eu tenho família, namorado, cachorra, estudo e trabalho. Eu amo, sorrio e brinco, falo muito, sou debochada, boa comunicadora, boa escritora, sou nova, tenho planos e sonhos, tenho fé.

E por isso eu resisto a cada pensamento suicida. A cada vontade de deixar a dor acabar.

Penso no quão egoístas são aqueles que amo e não me deixam partir, o quão egoístas por me manterem na dor e só consigo reverter esse pensamento tentando sentir o meu egoísmo por forçá-los a viver com a dor da minha partida, com a minha ausência.

De dor eu entendo bem. Não quero causar essa.

Se você tem pensamentos suicidas…

Não vou te dizer que não vale a pena, não vou te dizer que isso não é o fim – independente da sua religião, não faço os discursos que ouço.

Digo apenas que você tem motivos para continuar, tantos quanto para desistir. Mas vai valer a pena lutar, não só pelos outros, mas por você: por quem você já foi um dia, pelos planos que você já fez, pelas coisas que quer conquistar. Vale a pena viver. Mesmo não sendo fácil.

Haverão dias difíceis. Muito difíceis. E também dias fáceis. Dias novos.

Nos piores momentos, eu faço uma chamada de emergência para uma das pessoas que mais me ama e divido a dor. Porque eu sei que é um peso e ele está disposto à dividir comigo, a carregar junto, a fechar esse buraco pouco a pouco.

Não editei o texto, não consegui clareza e coesão, peço desculpas por qualquer dificuldade de leitura proporcionada por isso.

12 comentários

  1. Ana Carolina. says: Responder

    Jéssica, pessoa querida e ausente. Nunca imaginei que uma pessoa tão especial e colorida quanto você estivesse passando por esses momentos tão difíceis.. Coloco você, a partir de hoje, em minhas orações para que você consiga, a cada dia, vencer essa doença que tanto mal faz.

    Estou aqui, sempre que precisar.
    Um beijo, Karol.

    1. Karol, obrigada pelo apoio!
      Infelizmente, algumas coisas vem de onde ninguém espera.
      Muito obrigada pelas orações e pelo carinho! ❤

  2. Laura says: Responder

    Você é incrível!

    1. Vanderléa says: Responder

      A tristeza é uma das piores doenças,corrói o coração .Nunca perca a fé é as esperanças,Deus está contigo.Que hj vc possa sentir o gde amor q ELE tem por vc é te cure de qualquer ferida q esteja causando a tristeza em seu interior.

      1. Muito obrigada Vanderléa! ❤

    2. Obrigada Laura! ❤

  3. Glaucia says: Responder

    Isto aí Jéssica! A melhor ajuda vem de quem já passou ou passa pela mesma dor, ou por quem consegue se colocar no lugar deste que sofre.

    1. Muito obrigada! ❤

  4. Regina says: Responder

    Vc escreve muito bem. Realmente o q não dá é pra desistir da luta pela vida. Que Jesus q nos prometeu vida em abundância seja o centro de sua vida e lhe dê a direção sempre.

    1. Muito obrigada! ❤

  5. Waldemar Teles says: Responder

    Rs, parabéns filha, amor maior não há. Hj mais orgulhoso ainda de vc

    1. Obrigada pai! ❤

Deixe uma resposta