se eu fosse ele…

… ela não precisaria esperar por mim; não conheceria outro mais gentil e cavalheiro; não sentiria-se desvalorizada ou subjugada ‘por ser mulher’, mas viveria no meu misto de respeito e incentivo à independência dela e um porto seguro e protetor sempre à espera.

… ela não ouviria a todo momento que é linda, mas sentiria-se desejada, agradável, inteligente e ouviria sim, o quanto está linda ao sorrir despreocupada e feliz, ao se produzir e quando se sentisse bem sem motivo algum.

…. ela seria livre para ter suas fases, inseguranças e paranoias, mas eu não daria motivo para nada disso, apenas não a reprimiria por ser mulher, ter tpm e condizer com ‘complicada e perfeitinha’.

… ela não seria o assunto em minhas rodas de amigos, mas sim, os melhores saberiam muito sobre ela,  porque eu saberia o máximo possível dela; não seria ela o centro da minha vida, mas parte muito importante sempre.

…. estar com ela seria sempre importante, e o que é importante não precisa ser urgente. Conversar com ela seria sempre a melhor parte de qualquer encontro, porque sei que ela é de palavras. Apoiá-la iria além de dizer “vai lá, estou contigo”, seria estar sempre ao lado, fazendo menos dos meus problemas quando os dela fossem maiores.

… ela não teria motivos para ficar triste, mas poderia ficar, porque em seus porquês todas emoções são lindas e não seria eu que a privaria de algo.

Sim, talvez eu fosse o cara perfeito, ao menos para ela. “Talvez” porque essa é a fase dela agora, e ela têm tantas! O problema é que perfeição não existe, em tempo ou fase alguma e eu, apesar de tanto cavalheirismo, gentileza, honra ao que sou, sou ela e sou feliz por isso. “Talvez” mais feliz só fosse se alguém descobrisse o quão importante ele é e o quanto mais poderia ser, se fosse…

2 comentários

  1. Rafaela Nogueira says: Responder

    Simplesmente maravilhoso!!!

    1. Obrigada Rafa! ❤

Deixe uma resposta