Uma mudança

Um vestido dançando com o vento, entre o nada e a pele suave de Dalila. Ela não suportava mais aquilo tudo, resolveu que iria sair dali, iria atrás de algo que a faria bem pela primeira vez, não aceitaria ser sugada pela situação ao redor. Abriu o guarda-roupa, pegou uma mochila, enfiou um jeans, uma camiseta e um moletom, dinheiro, documentos, MP4, câmera, calçou seu tênis e foi. Saiu, como se fosse andar por perto, tomou um ônibus, desceu no centro, rodoviária.
Comprou passagem pra lá, um salgado e um refrigerante. Embarcou, ouviu The Great Escape, algo que só a animaria mais ainda, isso deu forças, levou o medo pra longe e fez com que ela se deixasse levar pelo prazer da adrenalina, do errado. A viagem pareceu ser curta demais, e ela já estava lá.
Agora a adrenalina trazia um medo, algo diferente, ela iria encontrá-lo. Mãos suadas, pernas trêmulas, ela desceu do ônibus, olhou ao redor, a cidade desconhecida e ainda com os fones no ouvido foi procurar informações, logo conseguiu pegar um ônibus para o centro.
Mais informações e ela estava na rua da casa que procurava, na rua da casa dele. Dalila estava trêmula, a boca seca, a cabeça desconcentrada, ela estava perturbada e sem saber o que falaria para ele, o que falaria sobre estar parada ali, na frente dele. Chegou ao número, uma casa grande, bela. Tocou o interfone e o chamaram. Ela ouvia tensa a porta da frente se abrir por trás do portão, os passos arrastados para o portão, o trinco, e a cara dele de surpreso.
– Dalila.
Ele a olhou, perplexo. Ela ali, de repente, sozinha.
– Precisava falar com você. Precisava, ver você.
Ele a abraçou, e ela sentiu-se em casa nos braços dele, sentiu-se segura de novo. Deixou-se levar pela emoção e os olhos se inundaram, mas ela foi firme para que todas as lágrimas ficassem ali.
– Eu só precisava lhe dizer, que acabou. Que estou indo embora e não sei quando volto, que nada é para sempre e eu te desejo sorte, que você seja feliz. Não olhe pra trás. Adeus. – Dalila se libertou do abraço dele, virou e se foi.
Ele ficou ali, imóvel no portão, com a confusão toda na cabeça.
E ela se afastou, correndo, o vestido dançando com o vento e a pele, o sorriso nos lábios banhando pelas lágrimas, e os cabelos perdendo-se no ar. Voltou para a rodoviária, comprou passagem, para outra cidade desconhecida, mas nessa ela não tinha nenhum endereço, propósito, nada.
Dalila se foi.
Os pais procuraram pela garota certinha, pela filha exemplar, os amigos pela amiga quieta e inteligente, o namorado nunca entendeu, e ainda assim sofreu. A polícia não tinha pistas do paradeiro dela, a família sofreu, pediu na TV, mas onde quer que ela estivesse não respondeu, não voltou.
Dalila saiu, fugiu, correu. Fez amizades, ganhou o mundo, saiu de si, se perdeu, Dalila viveu.

2 comentários

  1. […] Leia a primeira parte dessa história aqui. […]

  2. o blog ficou lindo de cara nova!

Deixe uma resposta