Tenho vergonha de ‘blogar’?

Nunca me apresentei contando: “ah, eu tenho um blog! Dá uma olhadinha lá depois”.

Na verdade, quando eu ouço “já li seu blog!” sempre fico surpresa e penso como esse indivíduo descobriu que eu escrevo! Imagino que isso não seja nítido, inclusive porque eu mesma divulgo o blog, e o link pra cá está em destaque em TODAS as minhas redes sociais! Faz parte até do meu LinkedIn…

Sinceramente, eu mantenho blogs há anos (claro que contabilizo também meus hiatos e ausências rotineiras), mas o blog só “ganhou o meu nome” no ano passado (em 2016). Nunca escrevi através de um pseudônimo ou anonimamente, nunca tive problemas em escrever e publicar – mesmo quando escrevia errado e tinha horror de revisar um texto! – a questão é assumir a produção, a opinião, o pensamento e muitas vezes o sentimento publicado. Sempre que alguém me diz que leu meu blog, surge a pergunta: será que me fiz entender? E aí surge uma certa “vergonha” em blogar.

Uma “vergonha” relacionada ao quanto eu teria exposto para essa pessoa no convívio comum frente ao que exponho online. O blog traz essa sensação de que a internet é um mundinho à parte, e de repente alguém que te acompanha online vem dizer isso para você pessoalmente e essa concepção é abalada. A ideia de outras pessoas, amigos ou completos desconhecidos, lendo sobre a minha vida e minhas ideias e histórias não me assusta ou me deixa tímida. O que me causa estranheza é tentar entender a relação que o leitor criou entre mim e meus textos. Muito do que escrevo é parte de mim, mas também há muito aqui que é totalmente inventado.

E aí, você consegue distinguir quem eu sou do que eu crio?

Algo semelhante influenciou o cancelamento da série Girlboss da Netflix: Sophia Amoruso, que inspirou a série teve dificuldades em lidar com sua vida pessoal sendo retratada com traços de ficção, e decidiu controlar a própria narrativa. Obviamente, parte do roteiro era floreada para uma boa série de TV – coisa que a vida de ninguém é.

Então, eu tenho vergonha? Não, definitivamente. Tudo que eu publico no blog traduz e expõe um pouco do que eu quero ser no meu dia a dia, na minha vida pessoal, profissional, e online. E apesar de ainda estranhar, é completamente prazeroso ouvir de alguém: “eu li seu blog!”, esteja à vontade para me dizer isso quando quiser, tendo gostado dele ou não! E o que pode parecer vergonha, (até agora parecia para mim), na verdade é a falta de costume com esse reconhecimento. Afinal, eu sou daquelas deselegantes que dizem: “ah, custou R$ 19,90 na Renner!” 😂

 

2 comentários

  1. ❤ Exatamente Ana!

  2. entendo bastante o que você quis dizer… jamais teria vergonha do que compartilho no meu blog, mas quando sei que alguém mais próximo leu o que escrevi, bate um “será que compartilhei de mais? será que fui compreendida?”
    acontece que gente não pode se prender a isso, afinal de contas, a escrita nasce de um desejo espontâneo e o resultado é lindo, sendo ele compreendido pelas pessoas ou não.

Deixe uma resposta